Interessante

Sonda do tamanho do cabelo pode ajudar a descobrir doenças pulmonares

Sonda do tamanho do cabelo pode ajudar a descobrir doenças pulmonares

Uma sonda do tamanho de um cabelo que pode conter até 19 sensores no espaço de 0,2 mm de diâmetro, foi inventada por uma equipe de pesquisadores das Universidades de Edimburgo, Bath e Herriot-Watt.

Ao inserir a minúscula sonda de fibra óptica profundamente no pulmão, é capaz de medir os principais indicadores de tecido danificado.

RELACIONADO: GOOGLE'S MEDICAL AI DETECTA CÂNCER DE PULMÃO COM 94% DE PRECISÃO

Este desenvolvimento científico vai melhorar a forma como os pacientes são avaliados e tratados, pois pode detectar mudanças incrivelmente pequenas no tecido.

Será de especial ajuda para pacientes em terapia intensiva e presos a ventiladores.

As doenças pulmonares ainda são um grande problema global

Até hoje, ainda é incrivelmente difícil saber como a doença se desenvolve em pacientes que sofrem de pneumonia ou lesão pulmonar. As doenças pulmonares ainda são as principais causas de morte e invalidez em todo o mundo.

Com essa nova invenção, a esperança é pegar as doenças mais cedo, para tratá-las com mais precisão.

Então, como esta nova sonda microscópica funciona?

Cada um de seus 19 sensores mede diferentes indicadores nos tecidos; por exemplo, níveis de acidez e oxigênio - todos os quais fornecem informações integrais sobre a reação de nosso corpo a doenças.

Esta sonda oferece medições rápidas e confiáveis, e a possibilidade de adicionar sensores extras no futuro.

A sonda pode ser usada para outras regiões do corpo

Os pesquisadores afirmaram que essa tecnologia versátil também pode ser usada em diferentes partes do corpo - especificamente para identificar e compreender doenças inflamatórias e bacterianas.

Dr. Michael Tanner, pesquisador da Proteus University na Herriot-Watt University e na University of Edinburgh, disse: "Esta pesquisa é um grande exemplo de colaboração entre disciplinas para enfrentar os desafios da saúde. Esses novos métodos, se levados à clínica, levarão a novos insights em biologia de doenças. Nosso objetivo agora é expandir o número de sensores exclusivos nesta plataforma miniaturizada para fornecer ainda mais informações. "


Assista o vídeo: Cirúrgica I (Janeiro 2022).