Em formação

Visitas a museus: veja como a tecnologia está mudando a maneira como você experimenta a arte

Visitas a museus: veja como a tecnologia está mudando a maneira como você experimenta a arte

Os dias dos museus antigos, enfadonhos e pretensiosos estão lentamente se tornando uma relíquia do passado.

Você pode ver o museu como um lugar para os ricos gastarem seus bônus anuais em pinturas excessivamente mínimas que serão armazenadas, para nunca mais serem vistas, exceto quando a obra for apreciada e for leiloada. No entanto, este não é mais o caso.

Ironicamente, o novo cenário tecnológico desmistificou o mundo da arte, tornando-o mais acessível e atraente para os espectadores do que nas décadas anteriores.

VEJA TAMBÉM:A AI-Art vai suplantar os humanos como artistas do futuro?

Os museus estão remodelando suas abordagens existentes da arte, incorporando a tecnologia não apenas como uma forma de melhorar as exposições, mas para expandir e até mesmo quebrar a noção do que é arte.

O Museu de 2019

Um museu não é apenas um local para pendurar arte. Com quase 55,000 museus de todo o planeta, o museu é o local onde os visitantes vão para vivenciar novas perspectivas, para serem desafiados, para comemorar momentos importantes da história, ou simplesmente um local para se maravilhar e inspirar.

Desde o surgimento de novas interfaces de usuário até a adoção da tecnologia de realidade virtual, cada uma dessas tecnologias tem levado os museus a mudar drasticamente; não apenas esteticamente, mas também financeiramente.

Com esses novos meios à sua disposição, curadores e proprietários enfrentaram três grandes desafios no mundo da arte da exposição; como fazer as pessoas entrarem no seu museu, como manter as pessoas no seu museu e como abraçar a nova tecnologia artística.

Resumindo, os museus se tornaram experiências divertidas, envolventes e memoráveis ​​para pessoas de todas as idades. Depois deste artigo, você pode até querer conferir a última exposição de arte.

A nova interface do museu

Os museus costumavam ser lugares “sem toque”. Não toque nas peças, apenas olhe para elas.

No entanto, novas tecnologias e desenvolvimentos na experiência do usuário e na interface do usuário mudaram completamente essa noção de cabeça para baixo com algumas exposições modernas incentivando os visitantes a ficar e até brincar com as exposições.

A arte não é mais apenas uma experiência unidimensional.

Como você mantém os visitantes em seu museu durante o dia? Faça-os brincar com suas exposições o dia todo.

No Metropolitan Museum de Nova York, os visitantes podem ter o prazer de interagir com uma tela de toque que fornece informações históricas ou uma exposição centrada em gestos que exige que você mova seu corpo para que funcione.

Movimentos das mãos, passos, seu toque e até mesmo sua voz podem desencadear uma experiência audiovisual completa que irá deslumbrá-lo com informações e contar uma narrativa.

A empresa de design de experiência Local Projects é especialista em combinar o mundo físico com o digital para criar e contar histórias envolventes.

Em seu museu comemorativo pela tragédia de 11 de setembro, a agência utilizou várias tecnologias modernas de IU para ajudar a encantar os visitantes nas histórias comoventes daqueles que sofreram em Nova York durante o 11 de setembro.

Do outro lado do planeta, no Japão, a equipe de ‘ultratecnologistas’ criou um museu totalmente digital que envolve todos os seus cinco sentidos, criando experiências totalmente imersivas, que às vezes o levam a um mundo completamente diferente.

A Internet das Coisas

Um ecossistema de IoT pode ser uma dádiva de Deus no mundo dos museus. Seja por meio de seu próprio dispositivo inteligente ou por meio de tecnologia fornecida por um museu, a internet das coisas ajuda os curadores não apenas a contar histórias mais coesas, mas também fornece dados perspicazes sobre visitantes e exposições.

Chamada de museu inteligente, a galeria interconectada IoT pode fazer uma série de coisas, incluindo obter informações sobre os visitantes por meio da coleta de dados sobre seus comportamentos e interesses, bem como medir o desempenho de uma coleção, indo além do número de visitantes e receitas

Resumindo, um museu pode adaptar uma exposição aos seus gostos e interesses. O que você pode ver durante uma exposição e o que seu amigo pode ver podem ser duas coisas totalmente diferentes no museu do futuro.

Embora tenha sido lentamente adotada em lugares como o Louvre, a IoT ajuda exposições e curadores a estruturar adequadamente o fluxo, o sentimento e o trabalho em exibição em uma galeria.

Artistas AI

Inteligência artificial e arte podem não ser algo que você acredita que já coexiste, mas está aqui. Além de usar IA para melhorar as experiências gerais da galeria, os curadores estão até mesmo considerando a IA como o próximo artista a ser assistido.

Apenas em 2018, uma pintura concluída pela GAN (Generative Adversarial Network), uma entidade de IA, vendida na mundialmente famosa casa de leilões Christie’s por quase $500,000 atraindo a atenção do mundo.

A IA provou que pode criar arte que pode rivalizar com alguns dos grandes artistas. Ainda mais, o apelo da arte gerada por IA é tremendo, atraindo fãs de todo o mundo.

Quem sabe? Talvez seu próximo artista favorito seja algum sistema de IA em vez de Van Gogh.

Embora ainda seja uma espécie de anomalia, a IA em museus e na arte faz parte de uma tendência cada vez maior. Os curadores estão mais sedentos do que nunca por encontrar artistas nesta nova fronteira digital que usam a tecnologia para impressionar o público.

Tecnologias de Realidade Virtual e Realidade Aumentada

Uma das novas formas mais óbvias de novas tecnologias, que estará se infiltrando em seu museu local, provavelmente será a realidade virtual, a realidade aumentada ou um pouco de ambas. A tecnologia VR e AR já é amplamente popular e está sendo incorporada às exposições.

A realidade aumentada é uma excelente ferramenta para museus interessados ​​em fazer a ponte entre o digital e o real, exibindo paisagens, dados e animações em tempo real.

Lugares como o Museu de Arte Pérez em Miami ou o Museu Kremer têm incentivado os artistas a usar a RV para fornecer experiências sensoriais completas e únicas aos visitantes.

Enquanto em museus mais históricos, como o museu metropolitano, a RV é usada para transportar as pessoas a diferentes épocas e lugares para uma experiência imersiva final.

Pronto para conhecer alguns museus neste verão? Você tem uma exposição favorita? Deixe seus comentários abaixo.


Assista o vídeo: Conhecendo Museus - Episódio 45: Museu Imperial (Novembro 2021).